Contando e Cantando (Volume 2)

Posts tagged Game

Finlândia tem hotel inspirado na série ‘Game of Thrones’

0

Crédito: DivulgaçãoToda a decoração do hotel remete a personagens e símbolos de ‘Game of Thrones’

No interior dos quartos, as temperaturas chegam a -5ºC

Publicado no Catraca Livre

É fã de carteirinha de “Game of Thrones”? Então pode ir preparando o passaporte. Até o dia 21 de abril é possível se hospedar em um hotel na Finlândia inspirado na série da HBO.

O Lapland Hotels SnowVillage, localizado em Kittilä, na Finlândia, é feito todo de gelo e repleto de símbolos que rementem ao seriado inspirado nos livros de George R.R. Martin.

O hotel, que só funciona no inverno no hemisfério Norte, tem 24 quartos temáticos projetados por artistas finlandeses, russos, ucraniano, poloneses e letões.

No interior dos quartos, as temperaturas chegam a -5ºC. O Lapland Hotels SnowVillage conta ainda com restaurante e bar de gelos.

Foram usados na ‘construção’ do hotel cerca de 20 milhões de quilos de neve e 350 mil. O empreendimento, em parceria com HBO Nordic, levou cinco semanas para ficar pronto.

As diárias custam a partir de € 320. Quem não quiser ficar hospedado, o hotel oferece tours guiados com ingressos a €17,50 (adultos) e €10 (crianças).

Livro de George R.R. Martin sobre Targaryens chega ao Brasil em novembro

0

No Brasil, ele será publicado pela Companhia das Letras (foto: Cia das Letras / Reprodução )

A obra, intitulada Fogo & sangue, conta a história da Casa Targaryen, que na série ‘Game of thrones’ é retratada pela figura da personagem Daenerys

Publicado no UAI

O escritor George R.R. Martin continua adiando o lançamento do próximo livro da saga As crônicas de gelo e fogo, The winds of winter, o sexto da franquia. Enquanto isso, o autor tem lançado outros projetos ligados ao universo de Game of thrones, como a obra Fire & blood.

O livro chega ao Brasil em novembro, pela Companhia de Letras, sob o título Fogo & sangue. A trama se passa três séculos antes dos eventos da saga dos outros livros e conta a história oficial da família Targaryen, uma das mais importantes do universo de Game of thrones e que na série da HBO é retratada pela figura da personagem Daenerys, papel da atriz Emilia Clarke.

O lançamento no Brasil será na mesma data que nos EUA e no Reino Unido: 20 de novembro. A versão em inglês tem 989 páginas. Algumas livrarias nacionais já fazem a pré-venda do livro, por R$ 145.

Nova série da Netflix, Carbono Alterado promete ultrapassar ‘Game of Thrones’

0

Revista Forbes elegeu a série como uma das mais aguardadas do ano

Publicado no Sapo

A nova aposta da Netflix promete ultrapassar ‘Game of Thrones’. A série original da plataforma, que já tem data marcada para dia 2 de fevereiro é baseada no livro, ‘Carbono Alterado’ de Richard K. Morgan.

A série, chamada de ‘Altered Carbon’, conta a história de um mundo misterioso, onde as pessoas conseguem transferir a sua consciência para outro corpo desde que paguem por esse processo.

A primeira temporada foi dirigida por Miguel Sapochnik e o papel principal será interpretado pelo ator Joel Kinnaman.

Em entrevista ao site Yahoo Entertainment, o ator revelou que o orçamento da série era muito superior ao das primeiras três temporadas de ‘Game of Thrones’.

Clássico da literatura A Revolução dos Bichos vai virar game

0

Todos games são iguais, mas alguns são mais iguais que os outros

Matt Davidson, no IGN

Uma equipe de desenvolvedores independentes se juntou para criar uma adaptação em game do clássico livro A Revolução dos Bichos (Animal Farm), escrito e lançado pelo autor norte-americano George Orwell em 1945.

Descrito no site oficial como um game do gênero “adventure-tycoon”, o game Animal Farm irá colocar os jogadores no papel de um dos animais vivendo na fazenda antes e durante da chamada “revolução dos bichos, mostrando assim os “altos e baixos do Animalismo”.

O lado “adventure” do game vai focar em escolhas, permitindo ao jogador decidir seu caminho nessa revolução animal. Já o aspecto “tycoon” vai focar no gerenciamento da fazenda, de modo que ambos estilos combinados vão criar uma “narrativa consistente”, permitindo que os jogadores experimentem as consequências de suas decisões de gerenciamento ao longo da trama.

AFbook1504781055945_original

Publicado originalmente em 1945, A Revolução dos Bichos é considerado uma das grandes obras da ficção moderna e é constantemente citado em listas de “melhores livros de todos os tempos”. Escrito sob o ponto de vista de animais vivendo em uma fazenda, Orwell quis refletir a ascensão do stalinismo na Rússia e fazer uma alegoria sobre os perigos do poder absoluto e de regimes totalitaristas. Foram exatamente esses os temas que conduziram a equipe criativa a desenvolver o game.

Imre Jele (fundador do Bossa Studios), disse ao site Polygon: “É a hora certa para a sociedade, uma vez que estamos nos encaminhado para uma era desconfortavelmente parecida com o universo descrito por George Orwell”, ressaltando ainda que o time quer que o jogador seja capaz de se identificar da mesma forma com o “opressor e os oprimidos”. Além de Jele, a equipe de desenvolvimento inclui Andy Payne (fundador da Just Flight e da AppyNation), Georg Backer (Fable), Jessica Curry (Everybody’s Gone to the Rapture, Dear Esther), Kate Saxon (Mafia III, Alien: Isolation, Witcher 3), entre outros.

É importante ressaltar que o projeto foi totalmente autorizado pelos herdeiros de George Orwell, os quais, de acordo com Jele, “discutiram nossos objetivos e ideias incansavelmente durante o processo, da forma que deveriam”.

Ainda não há informações sobre a data de lançamento, mas a equipe de desenvolvimento confirmou que o game será lançado para PC e “outras plataformas”.

Escritor brasileiro de 6 anos cria game e ganha concurso de colonização espacial da Nasa

0

jpbarrera-swss-750x524

Salvador Nogueira, no Mensageiro Sideral

Em um concurso sobre colonização espacial promovido pela Nasa entre mais de 6.000 estudantes do mundo inteiro, um brasileiro levou o primeiro prêmio na categoria de mérito literário. Detalhe: João Paulo Guerra Barrera, de São Paulo, tem apenas seis anos.

O Nasa Ames Space Settlement Contest é realizado desde 1994 anualmente pelo Centro Ames de Pesquisa, órgão da agência espacial americana sediado na Califórnia. Ele é aberto a inscrições do mundo inteiro, por alunos de até 18 anos, dos ensinos Fundamental e Médio. As participações podem ser individuais ou em grupo, e há diversas categorias separadas por idade, além de um Grande Prêmio e prêmios de mérito artístico e literário — que envolvem todos os participantes.

Barrera, adiantado dois anos na escola (ele agora cursa o terceiro ano do Fundamental), ganhou o primeiro prêmio justamente numa das categorias que combinava competidores de todas as idades. Ele se viu em empate técnico com Nanitha Varma N., da Índia. Ela escreveu um poema chamado “My Quest” (Minha busca). Ele escreveu um jogo de computador, Sonic World Space Settlement, baseado em um livro bilíngue português-inglês que ele mesmo havia escrito no ano passado: No Mundo da Lua e dos Planetas/In the World of the Moon and the Planets. (Clique aqui para jogar.)

“Foi ele quem escreveu o livro, o jogo, e quem fez a programação sozinho”, conta Margarida Barrera, mãe do João Paulo, que, com o livro publicado, já é o escritor brasileiro bilíngue mais jovem de que se tem notícia. Ele completa sete anos neste dia 31. “Eu me senti muito feliz e com vontade de passear no espaço com gravidade zero”, descreveu o jovem vencedor do concurso ao Mensageiro Sideral. E os pais arremataram: “Felicidade extrema em saber que estamos no caminho certo em oferecer para ele uma boa educação e incentivar o gosto pela leitura e pelos desafios, sempre lembrando que a melhor herança que podemos deixar para ele é a firmeza em aspirar triunfos e a capacidade de assimilar insucessos.”

João Paulo Guerra Barrera, 6, na escola de programação Happy Code, em SP. (Crédito: Arquivo pessoal)

João Paulo Guerra Barrera, 6, na escola de programação Happy Code, em SP. (Crédito: Arquivo pessoal)

 

No game, um trio de crianças se aventura pelo espaço construindo um foguete a partir de peças recicladas e explora os planetas do Sistema Solar.

MELHOR DESEMPENHO
O Brasil registrou em 2011 suas primeiras participações no concurso anual da Nasa, cujo objetivo é estimular as próximas gerações de cientistas e engenheiros a imaginar o futuro humano no espaço. Mas prêmios mesmo só faturamos pela primeira vez agora, em 2017. Além da grande conquista de Barrera, outros quatro projetos brasileiros foram agraciados.

Uma equipe do Instituto Nossa Senhora da Piedade, no Rio de Janeiro, ganhou o terceiro prêmio voltado para alunos do terceiro ano do Ensino Médio, e tivemos três menções honrosas, uma para Eduardo N., do Colégio Nossa Senhora de Sion, em São Paulo, outra para Isabela Moreira Leite Postelhone de Freitas, da Escola Estadual Prof. Amilcare Mattei, de Marília (SP), e uma terceira para o grupo composto por Ana Beatriz Martins Costa, Ingrid Laíse Magalhães de Oliveira, Kauan Araujo Barbosa e Luisa Stolemberger Rodrigues, alunos do quinto ano da Escola Municipal Antonio Pedro Ribeiro, em Mogi das Cruzes (SP).

O concurso de 2017 foi o mais competitivo de sua história, com cerca de 1.500 trabalhos submetidos. “E o melhor desempenho do Brasil”, comemora Ivan Gláucio Paulino Lima, pesquisador brasileiro da Universities Space Research Association no Ames que fez da divulgação da atividade em escolas brasileiras uma de suas prioridades no ano passado. “Eu fiz 5 mil planfletos, deixei 2 mil na Secretaria Estadual de Educação de São Paulo e distribuí os outros 3 mil nas minhas 42 palestras durante as duas semanas que estive no Brasil no ano passado”, conta Lima.

Gráfico mostra, ano a ano, número de países e trabalhos envolvidos no concurso anual do Ames (Crédito: Ivan Gláucio Paulino Lima)

Gráfico mostra, ano a ano, número de países e trabalhos envolvidos no concurso anual do Ames (Crédito: Ivan Gláucio Paulino Lima)

 

Resultado: apesar de o concurso só aceitar trabalhos em inglês, o Brasil ficou em quarto lugar no “quadro de medalhas” entre os países participantes. Foram ao todo 211 premiações. Em primeiro lugar veio a Índia, com 138 delas, incluindo aí o Grande Prêmio. Em segundo lugar, a Romênia, que tem longa tradição de participação no concurso e ficou com 33 prêmios. Os Estados Unidos, país-sede, ficaram com 16. E o Brasil, na quarta posição, com 5. E que ninguém subestime nosso resultado. Ficamos à frente de Japão, China, Canadá e Rússia, países com grande tradição na área espacial.

O desempenho em 2017, quebrado por país. Brasil figura em quarto lugar. (Crédito: Ivan Gláucio Paulino Lima)

O desempenho em 2017, quebrado por país. Brasil figura em quarto lugar. (Crédito: Ivan Gláucio Paulino Lima)

 

“Imagino que as maiores dificuldades para a participação de brasileiros neste concurso eram a falta de divulgação, a ausência de exemplos de sucesso e a restrição do idioma”, diz Lima. “Este ano superamos essas três dificuldades, provamos que temos muito talento e potencial. Espero que nos próximos anos todo esse potencial seja transformado em realidade, e que nossos jovens estejam cada vez mais preparados para um futuro de rápidas transformações.”

O Mensageiro Sideral parabeniza os vencedores e os agradece por lembrar a todos que, a despeito das imensas mazelas do país, jamais nos faltaram aptidão, competência e, sobretudo, a vontade de sonhar com o amanhã.

Go to Top