Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged Turma

Mauricio de Sousa lança autobiografia em que relata sua infância até o sucesso como desenhista

0

A estreia em grandes jornais do ‘pai da Mônica’ se deu no Estado de Minas

Ana Clara Brant, no UAI

No começo dos anos 1960, um desenhista de Santa Isabel, no interior de São Paulo, começava a dar os primeiros passos na profissão e decidiu enviar seu trabalho para os principais jornais do país. Seus quadrinhos contavam a história de três personagens: o cachorrinho Bidu; Cebolinha, um menino que falava errado; e Piteco, um homem da Idade da Pedra. O primeiro veículo de alcance nacional que decidiu publicar as tirinhas funcionava na Rua Goiás, no Centro de Belo Horizonte.

“O Estado de Minas foi o primeiro grande jornal a publicar as minhas historinhas. Já publicava em São Paulo e no interior, mas se quisesse mesmo multiplicar a clientela, o jeito era chegar a outros estados. Então, desenvolvi um método: enviava uma versão postal oferecendo meu trabalho. Lembro-me de que, 15 dias após o envio, o Estado de Minas aceitou minha proposta. Não me lembro das tiras que publicaram, mas foi uma parceria que durou muito tempo. Fiquei muito contente na época. A minha ligação com os mineiros vem de longa data, já que minha filha Magali mora em BH. Tenho netos e bisnetos aí. Aliás, estou precisando visitá-los”, afirma Mauricio de Sousa.

Mauricio de Sousa se orgulha de ajudar a alfabetizar milhões de brasileiros com suas HQs (foto: Fotos: Márcio Bruno/divulgação)

Mauricio de Sousa se orgulha de ajudar a alfabetizar milhões de brasileiros com suas HQs (foto: Fotos: Márcio Bruno/divulgação)

 

Essa e outras histórias estão na autobiografia que o gênio das HQs, de 81 anos, acaba de lançar pela Editora Sextante (selo Primeira Pessoa). Mauricio – A história que não está no gibi vem acompanhado de um caderno de fotos do arquivo pessoal do ilustrador. A primeira biografia completa do criador da Turma da Mônica, que chega às livrarias na segunda-feira, narra em primeira pessoa a trajetória pessoal e profissional do artista. “Queria fazer uma trilogia, mas não deixaram”, brinca ele.

Na verdade, Mauricio tem a intenção de fazer um livro contando causos de sua infância, sobretudo, da época em que morou em Mogi das Cruzes, perto de sua terra natal. “Foi um período muito rico da minha vida. Eu era o Chico Bento, com todas aquelas coisas maravilhosas que ele faz. O menino do interior que nada no rio, brinca na rua, pega fruta no pé. Na minha cabeça, tem a possibilidade de continuação.”

Durante um ano e quase sempre às segundas-feiras, Mauricio separava um momento para conversar com o jornalista e escritor Luís Colombini. Apesar de ter memória prodigiosa, o cartunista, ou melhor, o desenhista – ele gosta de frisar que “cartunista é coisa de norte-americano” – contava com a ajuda do repórter para recordar detalhes. “Ele preenchia os vazios com datas, nomes, referências. O livro foi focado no meu depoimento, mas tivemos conversas com pessoas ligadas a mim para ajudar”, diz.

O pai da Mônica e de Cebolinha revela que há muitos anos um grupo de jornalistas quis escrever sua biografia. No entanto, ele se adiantou. “Ameaçaram escrever e fiquei meio preocupado. Decidi fazer uma série de crônicas em um jornal contando vários casos da minha vida para deixar isso como legado. Queria dar a minha visão. Acabaram saindo dois livros com essas crônicas e os jornalistas esqueceram o assunto”, comenta.

A autobiografia traz detalhes, curiosidades e bastidores das mais de oito décadas de estrada de Mauricio de Sousa. Mostra como ele transformou seus desenhos em indústria de entretenimento, além de passear pelo universo de mais de 50 anos de realizações em meio a transformações sociais, políticas, econômicas e culturais.

(foto: Márcio Bruno/divulgação)

(foto: Márcio Bruno/divulgação)

 

PERSEVERANÇA Repórter policial com passagens pela vida artística como cantor e ator de radionovelas, foi entre os lápis e papéis que Mauricio encontrou sua vocação. “O que mais encanta nesse ofício é a capacidade de criar, de inventar, de trazer alguma coisa que não existe, de jogar no papel e disseminar isso para outras pessoas. E sempre com uma mensagem filosófica e comportamental”, observa.

A publicação revela a persistência de Mauricio, que, apesar das adversidades, não abriu mão de seus sonhos. “Nunca desisti, porque nunca duvidei daquilo que estava fazendo profissionalmente. Além disso, sempre fui conhecido na minha família como turrão, teimoso, que bota a coisa na cabeça e não desiste nunca”.

Uma das passagens mais interessantes é o relato de como ele conheceu a primeira mulher, Marilene, que viria a ser mãe de quatro de seus 10 filhos – Mariângela, Mônica, Magali e Maurício. “No início de 1958, uma criança desapareceu durante sua festa de aniversário. O caso foi parar na polícia, justamente na delegacia em que eu dava plantão. O principal suspeito do rapto era a fotógrafa contratada para registrar a comemoração. O caso seria esclarecido no dia seguinte. De fato, conforme as investigações apuraram, tinha sido ela mesma, que confessou que gostou tanto do aniversariante que quis levá-lo para casa. Mas, enquanto não se desvendava o mistério, a polícia intimou várias fotógrafas a comparecer à delegacia. São Paulo já era uma metrópole, mas não havia muitas mulheres especializadas em registros de festas infantis e retratos de crianças. Quando vi uma daquelas moças, fiquei embevecido, completamente bobo. Nem lembrei que era tímido. Decidi ali, naquele momento, que ia casar com ela. No dia seguinte, pedi ao escrivão da Deic (Divisão Especial de Investigação e Capturas), meu amigo, o endereço daquela fotógrafa alta e elegante, que, descobri então, se chamava Marilene Spada. ‘Vou conhecer minha futura esposa’, falei, para reforçar a importância do pedido”, conta ele no livro.

“Foi desse jeito mesmo. Voltei para a redação do jornal pulando de mesa em mesa, cantando e dançando de tanta felicidade”, relata. Hoje, ele é casado com Alice Takeda, diretora de arte da Mauricio de Sousa Produções.

ORGULHO Quando olha para trás, o que mais o deixa orgulhoso é ter conseguido alfabetizar milhões de brasileiros com seus quadrinhos. “Ver que as nossas revistinhas se transformaram em cartilha de formação e informação é algo que me deixa muito contente. Sempre me preocupei demais em ter um português correto, mesmo com o ‘caipirês’ do Chico Bento. Temos muito cuidado, vários revisores, mas o ser humano é suscetível ao erro”, diz.

Questionado se já se arrependeu de algo, Mauricio é taxativo: “Se me arrependesse de alguma coisa que fiz, não estaria agora aqui falando com você sobre a minha trajetória. Então, acredito que tudo deu certo”.

Cinema

No segundo semestre, começa a ser rodado Laços, filme que vai mostrar a Turma da Mônica clássica, com personagens ainda crianças. No momento, são realizados testes com atores mirins. Outro longa terá a Turma da Mônica jovem, que vai contar com elenco de adolescentes. Em 2018, a vida de Mauricio de Sousa vai ganhar as telas de cinema. Direitos da biografia lançada agora foram negociados para virar documentário. Um projeto em live-action também está em andamento.

Almanaque

Na semana passada, chegou às livrarias a edição nº 1 do SuperAlmanaque Turma da Mônica. Com o mesmo formato das revistinhas mensais, reúne em suas 300 páginas histórias lançadas nas últimas décadas. Há também quadrinhos de Penadinho, Horácio, Tina, Piteco, Jotalhão, Papa-Capim e Astronauta. A periodicidade será semestral. O preço de capa é R$ 15.

Turma da Mônica ganha personagens soropositivos

1

A Turma da Mônica vai ganhar dois novos personagens: Igor e Vitória, ambos soropositivos.

Publicado em O Debate

Um dos cartunistas mais queridos do Brasil, Maurício de Sousa criou os novos integrantes da galera em parceria com a ONG Amigos da Vida, que oferece assistência a pessoas portadoras do vírus HIV.

De acordo com Maurício de Sousa, para criar os personagens, foi preciso visitar e conversar com muitas crianças da instituição. “Precisava me informar bem para não falar besteira nos gibis. Afinal, é justamente por conta da falta de informação que surge o preconceito” comentou .

O primeiro gibi “Turma da Mônica em: Amiguinhos da vida” será lançado na próxima terça-feira (3), no Centro Cultural Banco do Brasil, no Rio de Janeiro, com direito a sessão de autógrafos.

A edição especial, que será distribuída gratuitamente em escolas da rede pública, trará as aventuras de Igor e Vitória – mas esse é apenas o primeiro número, pois outras tramas já estão sendo produzidas!

A intenção das histórias é conscientizar pais e crianças da existência da doença e contribuir para diminuir o preconceito e a discriminação contra os soropositivos.

 

Prova é aplicada com palavrão em tirinha da Turma da Mônica no AC

0

Exame foi aplicado para alunos da 4ª série; mãe diz ter ficado chocada.
‘Descuido com os alunos’, diz assessoria de Mauricio de Sousa.

Tirinha da Turma da Mônica adulterada foi aplicada em prova (Foto: Eliane Sinhasique/Arquivo pessoal)

Tirinha da Turma da Mônica adulterada foi aplicada em prova (Foto: Eliane Sinhasique/Arquivo pessoal)

Yuri Marcel, no G1

Uma questão de prova para o 4º ano do Ensino Fundamental da Escola Luiza Batista de Souza, em Rio Branco, causou polêmica, na última sexta-feira (25). Uma tirinha da Turma Mônica com um palavrão gerou questionamentos entre os pais das crianças. A escola alega que o erro ocorreu na hora da digitalização da atividade, porém, nega que a expressão tenha sido usada de forma maldosa pela professora.

A tirinha mostra uma conversa entre Cebolinha, Magali e um pipoqueiro.

– Eu quelo um saco de pipoca — pede Cebolinha.

– E a garotinha? — pergunta o pipoqueiro.

– Uma pica! — responde Magali.

A economista Efigênia Ferreira, de 36 anos, foi uma das mães que questionou o uso da palavra no exame. “Eu expliquei que no linguajar popular a expressão é usada como um termo pejorativo do órgão masculino. Porém, ela [a professora] disse que a maldade está na cabeça do adulto e não da criança e que isso não era um palavrão”, explica.

De acordo com Efigênia, o fato causou constrangimento durante uma reunião entre pais e professores, após o pai de um aluno questionar o uso daquela palavra. “A professora disse que tinha elaborado as provas, mas que a coordenadora tinha visto e não via nenhum problema na palavra”, disse.

Efigênia Ferreira diz que vai procurar a coordenação da escola (Foto: Eliane Sinhasique/Arquivo pessoal)

Efigênia Ferreira diz que vai procurar a coordenação
da escola (Foto: Eliane Sinhasique/Arquivo pessoal)

A economista disse que ao chegar em casa foi analisar a prova e não conseguia entender como positivo o conteúdo da atividade. Ela conta ainda que chegou a conversar com seu filho sobre a questão e o garoto afirmou que os estudantes teriam alertado a professora para uma ‘imoralidade na prova’, mas a professora negou o termo maldoso.

Efigênia decidiu postar a foto da prova em sua rede social para avaliar a opinião de outras pessoas. Após o ocorrido, a economista pretende voltar à escola e conversar com a coordenadora e também com a professora para saber o que realmente aconteceu.

“Meu procedimento agora é ir até a escola e saber o que aconteceu, se realmente a coordenadora viu essa prova e deu o aval, pois nem na prova de vestibular acontece isso”, ressalta.

Tirinha da web
A professora que a economista se refere é Francisca Ermelinda, 50 anos, ela está dentro da sala de aula há 26 e conta que houve um erro na hora da secretária digitalizar a prova. Na tirinha original magali responde ‘O que sobrar’. “No rascunho era outra expressão, aí a moça que elabora a prova puxou a tirinha da internet e não percebeu que ela estava com a expressão errada”, explica.

Apesar do problema, ela diz que nenhum dos alunos nas quatro turmas em que a prova foi aplicada chegou a comentar algo dentro da sala de aula. “Quando a gente recebeu a prova, vi a expressão e não achei maldade nenhuma. A gente trabalha com as crianças para tirar a maldade, esse mau pensamento, essa coisa ruim do pensamento deles”, diz.

A coordenadora pedagógica do colégio, Jorgineide Santos Jacinto, conta que chegou a revisar a versão da prova já com a expressão, antes dela ser aplicada. Porém, diz ter acreditado que como se tratava de uma questão de interpretação o uso da palavra era intencional.

Professora mostra rascunho original da prova em que aparece a expressão correta (Foto: Yuri Marcel/G1)

Professora mostra rascunho original da prova em que aparece a expressão correta (Foto: Yuri Marcel/G1)

“Quando peguei a prova, não tive acesso à expressão original. Eu olhei e vi a palavra como a omissão da sigla pipoca”, comenta. A coordenadora diz ainda que gostaria de conversar com os pais que se sentiram ofendidos para explicar a situação.

Na tirinha original, Magali responde "O que sobrar" (Foto: Reprodução)

Na tirinha original, Magali responde “O que sobrar” (Foto: Reprodução)

“Precisamos ter mais cuidado, ver o ponto de vista do pai. A professora não pode ser prejudicada, foi uma modificação feita aqui”, conclui.

O caso chamou a atenção da vereadora Eliane Sinhasique (PMDB-AC) que disse que irá levar o caso para a Secretaria Estadual de Educação (SEE) e ao Conselho Escolar.

‘Descuido’, diz assessoria de Mauricio de Sousa
Procurada pelo G1, a assessoria de Mauricio de Sousa comentou o uso indevido da tirinha e classificou como ‘um descuido tanto com os alunos como com os direitos do autor’.

“Quando uma editora ou entidade ligada à educação quer usar alguma imagem publicada ou inédita dos personagens de autoria de Mauricio de Sousa, entram em contato com a empresa para obter uma autorização oficial. E o desenho é enviado direto dos estúdios, com a qualidade para publicação. Provavelmente essa tira foi tirada de algum site ou blog da internet sem esse cuidado”, diz.

A assessoria informou ainda que o caso será encaminhado para o departamento responsável e será analisado. “Se a escola diz que tinha a tira correta e acabou publicando uma errada só pode ter sido adulterada por alguém na digitação ou já tinha sido copiada da internet já adulterada”, conclui.

Adolescente ‘gênio’ da Mongólia inventa sistema de alerta e vira aluno do MIT

0

Publicado na Folha de S.Paulo

O adolescente mongol Battushig Myanganbayar, 17, é um dos calouros de engenharia deste ano no MIT, nos EUA, uma das melhores e mais concorridas universidades do mundo.

A diferença entre ele e os demais alunos da sua turma é que Battushig foi convidado para estudar lá.

O garoto foi descoberto pelo MIT quando cursou a disciplina “Circuito e eletrônica” no Edx, uma plataforma de cursos livres, abertos e de graça do MIT (veja mais sobre esse curso aqui).

O desempenho do garoto, então com 15 anos, surpreendeu os docentes de MIT.

Não bastassem as boas notas (ele tirou dez em tudo), o pequeno Battushig ainda desenvolveu, durante um curso, uma espécie de sirene que avisa crianças que estão brincando na rua quando há um carro de aproximando.

Ele explica a sua invenção em um vídeo do YouTube (feito em bom inglês).

Impressionada, uma equipe de professores do MIT viajou até Ulan Bator, a cidade do garoto na Mongólia, e acabou convidando o menino para se mudar para os Estados Unidos.

A história ganhou projeção e o garoto foi apelidado de “o gênio da Mongólia” pela imprensa norte-americana.

ABRE-PORTAS

O que surpreende no caso de Battushig é a evidência de que cursos on-line oferecidos por grandes universidades dos EUA em plataformas como o Edx ou Coursera podem, de fato, disseminar conhecimento e incentivar novos talentos em todo o mundo.

Esses cursos são os chamados MOOCs que, na tradução do inglês, significam “cursos massivos abertos e on-line”. Duram em média dez semanas com aulas em vídeos, trabalhos e provas. Tudo de graça e pela internet.

O Edx tem 72 cursos e funciona há dois anos (detalhe: o garoto mongol foi um dos primeiros alunos da plataforma!). O Cousera é um pouco mais novo e bem maior: são 450 cursos com quase 5 milhões de alunos em todo o mundo.

Os MOOCs são um investimento grande das universidades participantes. Mas, considerando que o que essas universidades querem são alunos gênios como Battushig, essas plataformas de cursos gratuitos podem ser um eficiente caminho de busca.

Pôquer é disciplina optativa mais procurada da Unicamp em Limeira

0
Aula de pôquer na Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) em Limeira (foto: Rafaela Pille/Divulgação)

Aula de pôquer na Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) em Limeira (foto: Rafaela Pille/Divulgação)

Eduardo Schiavoni, no UOL

A aula de Fundamentos do Pôquer, que começou a ser oferecida aos estudantes do campus de Limeira da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) em agosto, já é a disciplina optativa mais procurada pelos estudantes da Faculdade de Ciências Aplicadas da instituição. Já são 130 alunos matriculados e, devido à procura, a Unicamp deve expandir novamente o número de vagas.

Quando foi incluída no calendário, a matéria tinha 60 vagas. Com a procura, o total aumentou para 90 e, hoje, chegou a 130 – quantidade máxima de alunos suportada pelas instalações. No semestre que vem, segundo a instituição, uma nova turma poderá ser formada, já que pelo menos 200 pessoas se inscreveram, fazendo com que um excedente de 70 interessados não pudessem cursar a disciplina. Na média, as demais disciplinas ofertadas não passam de 60 alunos.

O professor Cristiano Torezzan, 36, é responsável pela disciplina de Fundamentos do Pôquer na Unicamp

O professor Cristiano Torezzan, 36, é responsável pela disciplina de Fundamentos do Pôquer na Unicamp

“Formamos pessoas que irão liderar equipes, liderar projetos e invariavelmente terão que tomar decisões. O pôquer é um bom laboratório para exercitar este tipo de habilidade”, avalia o matemático Cristiano Torezzan, 36, professor responsável pela matéria.

Para ele, entender as variáveis ao se tomar uma decisão é essencial para o ambiente corporativo, e a disciplina atua nesse segmento. “O poker é um jogo de estratégias, que exige concentração, paciência e coragem para tomar decisões inteligentes num cenário de informações incompletas. Cada decisão tomada em um jogo de pôquer envolve um conjunto de fatores como matemática, estratégia e análise de conjuntura, dentre outros, que devem culminar com a identificação de padrões comportamentais dos outros jogadores frente a situações de risco. É isso que queremos desenvolver com a disciplina”, disse.

O professor ressalta que cartas de baralho não são utilizadas em aula: “As aulas serão teóricas. Não haverá prática do jogo durante as aulas regulares em sala de aula, mas teremos diversos exercícios envolvendo situações de jogo online. Para isso, vamos filtrar situações onde os jogadores de pôquer precisem tomar decisões difíceis no jogo e analisar qual a melhor saída em cada caso”.

Público

Vinculada ao curso de ciências do esporte, a disciplina Fundamentos do Pôquer é frequentada também por alunos das engenharias de produção e de manufatura, administração e administração pública, nutrição e tecnologia.

Além das aulas, Torezzan informa que os alunos praticam pôquer em casa, em servidores de pôquer online, para que possam entender o jogo e criar as analogias com outras situações cotidianas. “Parte da avaliação da disciplina será baseada no desempenho dos alunos em torneios gratuitos online entre a própria turma”, esclareceu.

Go to Top